PREJUÍZOS NO SETOR DE TRANSPORTES

13 Apr 2020

É de conhecimento geral – ou pelo menos deveria ser – que a ameaça da doença COVID-19, transmitida pelo famoso Coronavírus está cada vez maior. A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou estado de pandemia na última quarta-feira (11/03/2020), ou seja, o vírus está sendo amplamente disseminado e a situação de risco aumentou. Os primeiros casos começaram na Ásia e, em pouco tempo, o vírus se espalhou para quase todos os países e está presente em todos os continentes. O surto epidêmico que saiu de Wuhan, na China, não impactou somente a área da saúde, mas acometeu a economia e o mercado global. Todos os setores foram abalados pela doença e as consequências ainda estão surgindo. Os prejuízos causados pelo coronavírus na logística começam a ser mensurados e as notícias não são as melhores.

 

As operações de importação e exportação foram diretamente atingidas, negativamente, é claro. Por se tratar de uma pandemia declarada o envio de produtos ficou comprometido. As docas, armazéns e portos chineses estão abarrotados de produtos a serem transportados, afinal, falta mão de obra e veículos.

Infraestrutura

A ministra participou também na segunda de videoconferência do Ministério da Infraestrutura com o Conselho Nacional dos Secretários de Transporte, que reúne os chefes dessas áreas nos Estados e no Distrito Federal. Segundo o relato da pasta da Infraestrutura, Tereza Cristina pediu a livre circulação de linhas privadas que transportem os trabalhadores do agronegócio e destacou a importância da manutenção dos corredores de escoamento da produção.

 

“A gente tem uma preocupação com os caminhoneiros, que são fundamentais para o agronegócio. Nós não conseguimos rodar sem eles. Nossa preocupação é que eles tenham pontos para abastecer, para comer, postos que possam atender quem tiver problemas de saúde”, disse Tereza Cristina, de acordo com a nota do Ministério da Infraestrutura.

 

Além de conversar com os secretários de Transporte, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, participou, também na segunda-feira (23/3), de videoconferência com governadores dos Estados do Sul e do Sudeste para discutir uma cooperação para evitar bloqueios em rodovias. Segundo o Ministério da Infraestrutura, já há consenso em relação a decretos estaduais para livre circulação de cargas e manutenção de serviços. O apelo deve ser estendido a prefeitos.

“Se matarmos o transporte rodoviário de carga, teremos o efeito da greve de 2018 somado à crise do coronavírus. Estamos vendo justas homenagens aos profissionais da saúde e da segurança pública, mas está na hora de homenagearmos também os profissionais do transporte de cargas”, disse o ministro Tarcísio Gomes de Freitas, de acordo com o Ministério da Infraestrutura.

Representações do agronegócio têm se manifestado publicamente, procurando garantir que não haverá interrupção da produção. Empresas de alimentos, inclusive, têm feito campanhas pedindo que a população atenda às recomendações das autoridades de saúde enquanto as atividades produtivas são mantidas. Ao mesmo tempo, as entidades têm pedido a garantia de infraestrutura necessária para o transporte de mercadorias.

“O gargalo logístico no fluxo de produtos é o fator mais preocupante para o desempenho das exportações”, avalia o consultor Maurício Palma Nogueira, da Athenagro, especialista em mercado de carnes, em publicação divulgada pela rede social Linkedin.

Segundo ele, a produção de carnes bovina, suína e de frango do Brasil deve superar o consumo em 38% neste ano. A estimativa já considera a produção contratada e com operações em andamento na fazenda. Se há risco de desabastecimento, diz ele, deve ficar para os anos seguintes. Se o setor não conseguir exportar o excedente desse ano, o prejuízo pode ter efeito no futuro.

“Por isso, é fundamental que medidas governamentais não dificultem as operações de logística e exportação de mercadorias. São setores essenciais”, afirma o consultor, na postagem.

 

Coronavírus fez movimento de cargas do agro cair 12,4% na última semana, diz pesquisa

 

O movimento de cargas do agronegócio caiu 12,41% entre os dias 23 e 29 de março devido à pandemia de coronavírus. Os dados são de pesquisa do Departamento de Custos Operacionais da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (Decope).

A pesquisa também indicou menor demanda em cargas para lojas e supermercados (-22,94%), para a indústria alimentícia não refrigerada (-16,15%), para a indústria alimentícia refrigerada (-18,14%) e para a indústria de químico e agroquímico (-8,69%).

Com o subsidio dos Bancos, Advogada Especialista em Direito Bancário Fabianie Mattos Limoeiro, tem de ser observado os financiamentos terão prazos e carências estendidos e taxas de juros reduzidas. Para a contratação, serão estabelecidas parcerias com Sebrae, cooperativas de crédito, fintechs e entidades de classe, as Empresas devem atentarem se realmente o juro, o forma de cálculo e valor final, vai ser melhor é a ajuda de especialista em direito Bancário.

MUITA ATENÇÃO AO SE FALAR EM PRORROGAÇÃO E CARÊNCIA, MAS NENHUM BANCO INFORMA QUAL A TAXA DO JUROS!

 

Compartilhe com seus amigos!
Twittar sobre isso!
Compartilhe com sua rede!
Curta esse post!
Please reload

Posts em destaque

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE AS MEDIDAS ANUNCIADAS PELOS BANCOS

May 8, 2020

1/10
Please reload

Posts recentes