Revisão de Contratos de financiamento Rurais firmados até 03/1990 (durante o Plano Collor)-Execução de Acórdão

 

 

O Superior Tribunal de Justiça acolheu os recursos do Ministério Público Federal, da Sociedade Rural Brasileira e da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul, em Ação Civil Pública contra a União Federal, Banco Central e Banco do Brasil, para determinar a redução dos percentuais de 84,32% (ou 74,6%), aplicados nos meses de março/abril de 1990, para 41,28%, nos contratos de financiamento rural corrigidos pelos índices da poupança.

 

Ainda, condenou o Banco do Brasil a proceder ao recálculo dos valores em aberto, bem como devolver as quantias pagas pelos mutuários que quitaram seus financiamentos pelos percentuais maiores vamos elencar os motivos:

 

1 - Os contratos de financiamento rurais são geralmente firmados com valores altos;

 

2 - O percentual de aumento indevido foi alto (reajuste aplicado 84,32%, enquanto o devido eram 41,28%); 

 

3 - O lapso temporal de quase 30 anos (reajuste indevido praticado em 03/90 e atacado por Ação Civil Pública, a qual foi julgada recentemente pelo STJ - 2017, acórdão esse que está sendo executado, logo não há que se falar em prescrição).

 

Por exemplo, imagine que em março de 1990, o valor do contrato de financiamento rural fosse R$ 100,00 (sabemos que a moeda era CRUZADO NOVO e que os contratos de financiamento agrícolas são em valores muito maiores, mas só a título exemplificativo).

 

A correção aplicada foi de 84,32% ou seja, o valor devido passou para R$ 184,32, enquanto a correção realmente devida e reconhecida pelo STJ eram 41,28%, logo, só neste ponto identifica-se uma diferença de R$ 42,00 para arredondar.

Esses R$ 42,00 indevidos integraram a dívida rural e sofreram reajustes nos meses seguintes, até o efetivo pagamento. Mas à título de exemplo, vamos imaginar que o indevido eram R$ 42,00 pagos a mais em março de 1990. Esse montante atualizado, chega atualmente a pouco mais de R$ 293,00, sem juros, só atualização.

 

Claro, isso é apenas uma estimativa, os cálculos são mais complexos, elaborados por planilha específica, com juros conforme título executivo e, também salienta-se que não há contrato de financiamento rural de R$ 100,00. Certamente os valores são bem maiores, consequentemente o resultado da ação espera-se que seja bem maior.

 

Portanto, só para exemplificar: R$ 42,00 indevidos em março de 1990, passou para mais de R$ 293,00 a serem restituídos nos dias atuais.

Todas as 03 formas apresentadas são Bem fundamentada, com jurisprudências atuais e de acordo com a mais balizada doutrina.

 

Caso tenha acontecido qualquer das situações o melhor e nos procurar e fazer a devida avaliação documental.

 

 

PRECISA DE AJUDA? ENTRE EM CONTATO.

 

 

 

 

 

Compartilhe com seus amigos!
Twittar sobre isso!
Compartilhe com sua rede!
Curta esse post!
Please reload

Posts em destaque

DÍVIDA BANCÁRIA RURAL - BANCOS DIFICULTAM NEGÓCIAÇÃO VISANDO O ARRESTO DE FAZENDAS.

August 22, 2019

1/10
Please reload

Posts recentes
Please reload

Arquivo